De bem com o mundo!

“Um projeto que pretende divulgar imagem que possam trazer conceitos de paz, dignidade, ética é amizade”. Começa assim o release do  “Imagens da Paz” – lançado oficialmente no último dia 18, em São Paulo, idealizado pelo fotógrafo Eduardo Barcellos. Como uma resposta às inúmeras imagens de violência, agressões, guerras, crimes, etc, etc, etc, a que somos submetidos diariamente. Uma maneira de mostrar o outro lado da moeda. Sim, porque trata-se sempre da mesma moeda. Mas o que seriam imagens da paz? O que seriam imagens que reforçam conceitos positivos? “Imagens da Paz é uma iniciativa inovadora que cria um banco de fotos on-line, disponibilizando gratuitamente, imagens que reflitam mensagens positivas e conceitos ligados à paz, definidos assim pela UNESCO: amor, cooperação, felicidade, honestidade, humildade, liberdade, paz, respeito, responsabilidade, simplicidade, tolerância e união. As imagens serão cedidas por importantes fotógrafos profissionais para campanhas e ações promovidas por ONGs e instituições sem fins lucrativos que compartilhem dos mesmos ideais.”

Não sei. Mas com certeza é algo que precisamos refletir. Perdemos o tempo da contemplação. Ou pelo menos ele se transformou. Portanto imagens que valem hoje tem que ter sempre algo de impactante de sensacionalista que fere, mas não produz reflexão. Ao nos propor novas formas de fotografar, ou melhor de mostrar imagens, porque acredito que esse tipo de imagem sempre foi feita, o projeto “Imagens pela Paz” nos convida a refletir sobre algo que esquecemos que é enxergar, aprofundar, parar e pensar.

A idéia não é nova. Edward Steichen, (1879-1973) nos anos 50,  – mais precisamente em 1955 – ao propor a exposição “The Family of Man”, queria justamente isso: mostrar como somos todos humanos e únicos e que, apesar de tudo, como diz Susan Sontag: “a despeito de todas as suas falhas e vilanias, somos criaturas atraentes”. 503 fotos de 273 fotógrafos de 68 países foram expostas no MOMA de Nova York.  Há tempos procuramos algo que nos devolva a humanidade perdida, a capacidade de nos emocionarmos, de termos compaixão pelo outro, não de forma burlesca ou espetacular (de espetáculo, não de fantástico) mas como uma maneira de me enxargar no outro. A exposição de Steichen foi montada 10 anos após a 2ª Guerra Mundial. O mundo estava procurando se reconstruir. Imgens da Paz surge num momento em que o espetáculo já tomou conta de tudo e talvez seja uma maneira de nos devolver, se não for a paz, a capacidade de contemplar. A idéia já atraiu vários profissionais como Gal Oppido, Cristiano Mascaro, Roberto Linskier, Cássio Vasconcellos, Ana Lúcia Mariz, entre outros.

Anúncios

6 comentários em “De bem com o mundo!

  1. De total acordo, percebo que atualmente esta proliferação exarcebada de imagens chega à confundir a cabeça do espectador, vejo que passam despercebidas e não contêm mais aquela aura de antes.
    Com certeza, as imagens que proporcionam um sentimento de paz serão notadas e talvez mudarão a forma de ver e interpretar o mundo e , quem sabe nos dar uma esperança de que todos lutarão em prol da tranquilidade geral.

  2. Ja que o assunto é Paz;

    Quando sentimos amor e simpatia pelos outros, isso não só faz os outros sentirem-se amados e merecedores de interesse, mas também nos ajuda a desenvolver a felicidade e a paz interiores.

    Dali Lama

    Sempre passo por aqui dar uma olhada porque é tudo muito interessante, o acervo de Imagens da Paz esta lindo, e foi uma das matérias postadas tambem no meu blog!

    Apenas para dar um oi

    Namastê

  3. De total acordo , percebo que atualmente essa exarcebada proliferação de imagens chega à confundir a cabeça do espectador. Penso que já há uma indiferença quanto à elas, passam despercebidas aos olhares e não tem mais aquele poder de “punctum” pungir. A aura se dispersou na contemporaneidade, nessa sociedade hedonista que hoje preza pela aparência e não pela alma.
    Com certeza, as imagens de paz proporcionarão tranquilidade e talvez uma esperança para a humanidade de que ainda podemos ressucitar o que foi perdido.

  4. Oi Simonetta:

    Como sempre seus comentários mtos precisos e sensíveis!Está sendo escrita uma história do nosso mundo mto negativa e ela é parcial.
    Precisamos reunir o maior número possível de “cúmplices” capazes de olhar o mundo de um pto de vista mais positivo.
    Esta é a contribuição q nós fotógrafos podemos dar p a construção de um futuro melhor.
    Obrigado, bjs
    edu

    ps: The Family of Man é o meu livro de fotografia de preferido, minha inpiração…

  5. Simonetta,

    Venho acompanhando seu trabalho há um tempo e gostaria muito de pensar fotografia. Sou de Recife e as vezes me sinto uma estranha no ninho com meu interesse pela teoria da fotografia. Termino a faculdade no próximo ano e gostaria de estudar foto. Você me indicaria alguma faculdade para fazer mestrado? Já tenho algumas idéias, mas não sei por onde começar.

    Agradeço desde já!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s